Resenha: Pare de Acreditar no Governo, de Bruno Garschagen

Em “Pare de acreditar no governo”, do autor Bruno Garschagen, o mesmo traz à luz dos olhos do leitor a situação dicotômica na sociedade brasileira, o porquê de o cidadão brasileiro não confiar nos políticos mas amar ao Estado, instituição regida e conduzida pelo setor político. No decorrer da obra, o autor faz uma linha temporal histórica do Brasil e escreve de maneira bem direta e simples, de maneira que qualquer leitor possa vir a compreender o seu conteúdo.

congresso nacional brasilia - Resenha: Pare de Acreditar no Governo, de Bruno Garschagen

Já no início do desenvolver do livro é apontado algumas políticas públicas adotada no período colonial que vem em seguida a não ter o impacto esperado, e que vieram a fracassar. Trocas de favores, auxílios, tráfico de influências e acordos, situações essas que já na fundação na nação também fundaram na mentalidade brasileira o desejo inerte de apoio e ajuda estatal, pondo no Estado uma figura paternalista e que deve estar presente.

Avançando na cronologia nos deparamos com ideologias européias que vem a impactar o país sobretudo após a revolução francesa com suas ideias iluministas, e principalmente com o positivismo que em análise mostrou-se bastante presente na formação da nossa república. E que praticamente institucionalizado no período da ditadura civil-militar brasileira de 1964 a 1985, onde grande onda de intervenção estatal não só na economia, mas no indivíduo, se fez marcante.

Na redemocratização brasileira, é revelado diversos desejos e manifestações de mudança, que culminaram com o governo contemporâneo da publicação do livro em 2015 com o governo do Brasil em mãos de Dilma Rousseff. Onde na realidade segundo o autor observamos uma intervenção mais uma vez estatal, de forma paternalista e limitadora, semelhante aos períodos anteriores, de um Estado muito mediador e eficiente.

Bruno Garschagen não aponta o fim de um Estado, mas sim um enxugamento do mesmo, tal como é descritos pelos liberais, uma instituição de certa forma interventora sim, entretanto não em níveis astronômicos como foi vivenciado pelo Brasil. Fazendo somente aquilo que é o necessário para que haja ordem e harmonia na sociedade.

A leitura é boa, altamente recomendável e como já exposto no início, de fácil compreensão. Essencial para aqueles que desejam conhecer um pouco mais sobre política e economia. De fato dá para molhar os pés antes de pular de cabeça nesses estudos.

Escrito por Paulo Victor Cosmo.

Comentários

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *