Qual o papel do Estado no liberalismo?

As discussões sobre intervencionismo, para além da polarização comum, são vastas. Mas o que, na prática, significa uma intervenção do governo?

Em linhas gerais, o intervencionismo ocorre quando o Estado tende a intervir em alguma área da sociedade, como economia, educação, saúde ou segurança. Mas como isso se relaciona com o liberalismo?

A maioria das pessoas que se dizem “liberais” defendem um Estado mínimo, ou seja, um Estado menos interventor, que presta os serviços principais para o bem da sociedade. Assim, liberais, em sua maioria, defendem um Estado menos “inchado”, não a ausência dele.

Como a liberdade pode ajudar um país a se desenvolver

Existe uma forte correlação entre uma sociedade mais livre e uma qualidade de vida maior. Os gráficos abaixo podem nos ajudar a entender melhor essa questão.

O primeiro, por exemplo, compara o PIB per capita dos países (coluna da esquerda, de acordo com dados do FMI) em relação ao seu grau de liberdade econômica (linha inferior).

Assim, o segundo grafico revela o PIB per capita médio dos países dentro de cada uma das classificações do Índice da Heritage Foundation. Na prática, quanto mais livre o grupo, maior a prosperidade usufruída pelo povo.

3. Liberdade Econ%C3%B4mica e n%C3%ADvel de vida 711x1024 - Qual o papel do Estado no liberalismo?

O mercado nem sempre é perfeito

O mercado, contudo, nem sempre é perfeito: as falhas de mercado existem.

Em um sentido mais geral, falhas de mercado ocorrem quando a alocação de recursos acontece de forma ineficiente em um sistema de livre mercado, gerando perdas que envolvem o “bem-estar” de toda sociedade.

Em resumo, sem nenhum tipo de intervenção”, essas falhas podem ocorrer em diferentes setores de uma sociedade. Portanto, em certas circunstâncias a intervenção estatal é realmente necessária.

Vale ressaltar, porém, que esse tipo de intervenção estatal não é homogênea como o nome pode supor. Além disso, caso ocorra em excesso e um desenho baseado nas evidências, a sociedade perde.

Um exemplo claro é o investimento em educação na primeira infância. De acordo com o economista James Heckman, o retorno do investimento decresce exponencialmente, tornando essencial a educação nos primeiros anos de vida.

Assim, com investimentos racionais, pautados em dados e evidências, todo a sociedade ganha, já que a produtividade tende a aumentar com mais educação.

De acordo com o Ranking de empresas estatais feito pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), com cerca que 39 países, o Brasil é o que possui o maior número de estatais: 418. Enquanto isso, os países mais desenvolvidos tende a ter menos estatais, por exemplo, a Suíça, com 4.

Dessa forma, o papel do Estado no liberalismo não é atuar pouco ou muito, mas atuar quando necessário, sempre pautado em dados e evidências. O Bolsa Família, nesse sentido, é um exemplo: uma política pública que gasta pouco mas resolve muito.

Escrito por Antonio Colodetti – coordenador do Grupo Domingos Martins.

Comentários

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *